Blogger Templates by Blogcrowds

As Melhores Séries do Ano


01 - wallander

 Wallander é, antes de mais nada, uma série de nuances. Antes de um programa de mortes e mistério, é sobre um ser humano frágil, triste e solitário que, numa análise prévia e superficial, pode parecer clichê ou enfadonho. O fato é que esta pequena série britânica é uma jóia rara, que vai além dos estereótipos batidos da TV e do Cinema, e estuda um personagem a fundo, desvendendo seus medos, suas angústias, entregando ao espectador uma experiência incomparável. Como se não bastasse um roteiro primoroso, Wallander conta com a melhor atuação masculina da TV: Kenneth Branagh. Um dos maiores representantes de Shakespeare no Cinema tem aqui um de seus melhores momentos, numa atuação esmerada e sutil. O trabalho de direção é digno de Cinema, e a fotografia é uma das mais belas do ano, da TV e, acredite, da Sétima Arte. A trilha sonora, como já é comum em séries britânicas - principalmente as da BBC - é irretocável (o tema de abertura, "Nostalgia", é lindo). É uma pena, portanto, que poucas pessoas a conheçam ou se interessem por ela. Infelizmente, cada temporada de Wallander tem apenas três episódios (poderia ser bem mais) de noventa minutos cada, e o próximo ano, o quarto, parece ser o último.
Melhores episódios: Todos os três.





02 - Breaking Bad


Depois do impecável quarto ano, Breaking Bead resolveu arriscar - e manter o coração dos fãs na boca por mais um tempo: a quinta e última temporada seria maior, mas dividida em duas partes. Oito episódios iriam ao ar em 2012 e os oito finais em 2013. A ideia tem seus pontos bons e ruins: é bom porque teremos mais um ano de série e mais três episódios além dos treze habituais. Ruim pelo fato de que quando o arco dramático está se formando e os rumos se alinhando, a série entra em hiato. O episódio final dessa primeira metade, mesmo que óbvio, marcou um ponto alto na história de Breaking Bad, mas soou inevitavelmente como um anti-clímax. Toda a série, basicamente, caminhou até aquele momento e quando os roteiristas poderiam explorar mais o terreno, tudo acaba. É claro que tudo será devidamente mostrado e estudado ano que vem, mas é inquestionável o sabor agridoce ao término da mid-season. De qualquer forma, os oito episódios foram melhores que muitas séries inteiras. Bryan Cranston mais uma vez mostra que é um monstro (assim como seu personagem, mas em outro sentido), Vince Gilligan ensina como se conduzir uma série e os diretores dão uma aula de técnica em oito horas irretocáveis.
Melhores episódios: Dead Freight e Say my Name
 




03 - Louie


Louie talvez seja a série cômica mais dramática da TV. Louis C.K. explora, através de um humor pesado, ácido e inteligente, sua própria vida. É claro que muito do que se vê na série é fruto da imaginação do humorista, mas há muito de autobiografia ali. É notável, por exemplo, a facilidade de C.K. em comprimir diversas sensações e mensagens em um pequeno episódio de vinte minutos. Ele fala de amor, de morte, das filhas e de solidão de uma forma tão única que não são raros os momentos em que damos fortes risadas e logo em seguida nos sentimos tocados pela solidão do sujeito. Louis C.K., aliás, é do tipo de artista que faz tudo. O roteiro é dele, a direção é dele, muitos episódios são editados por ele e ainda aparece em noventa e nove por cento do tempo na tela. Mesmo assim o nível do programa ultrapassa em muito o restante das séries de humor da atualidade, que contam com equipes gigantescas e elencos famosos e diversificados.
Melhores episódios: Late Night 1, 2 e 3.






04 - Sherlock

Séries britânicas costumam me agradar sempre. Aprovo o formato de temporadas curtas, com poucos episódios cada. Essa abordagem permite um cuidado melhor com a história - que é reduzida e não precisa se alongar para preencher o espaço de treze ou vinte episódios - e com o visual do programa, que parece de Cinema. Além disso, os britânicos têm um humor e um estilo que os americanos, por exemplo, não têm. O uso da câmera na excepcional Luther, por exemplo, é invejável. O mesmo acontece em Wallander e Sherlock. Temos nesta versão um Sherlock Holmes vivendo em um mundo moderno, mas com as antigas manias de sempre. Há também um Watson bem humorado e fiel ao amigo e uma galeria de personagens interessantes. Não parece ser tão diferente do formato original, ou mesmo dos recentes filmes protagonizados por Robert Downey Jr. O fato é que a abordagem vista aqui é única. Vemos o que Sherlock vê, através de gráficos, esquemas, números e letras que o circundam na tela. Vemos os textos das mensagens interagindo com o cenário e as tecnologias servindo os protagonistas, afinal, desvendar um mistério usando o Google ou um celular é muito melhor. Ao que tudo indica, a próxima temporada será a última. Pena.
Melhor episódio: The Reinchenbach Fall




05 - Downton Abbey 

Depois de uma segunda temporada morna, Downton Abbey retoma suas forças em um terceiro ano coeso e mais enxuto, sem gorduras desnecessárias. Mais do que nunca, Downton Abbey assume o posto de “retrato de uma época”. Se nos primeiros anos a série parecia ser apenas um programa sobre uma família nobre britânica, agora podemos ver que o escopo vai além. É nesta temporada que o contexto histórico fica ainda mais intrínseco à mitologia da série. Se antes a Primeira Guerra Mundial serviu de pano de fundo para uma mudança no casarão e na família, desta vez temos a queda da nobreza, ou dos esterótipos que a compõem. Fica claro, portanto, a riqueza histórica da obra: acompanhamos não só a rotina, os costumes de um certo povo, mas sim a ascensão e queda do mesmo, o que torna o projeto muito mais complexo e relevante. Assistimos através de uma família, um exemplo, a história de algo maior, de um período histórico. Downton Abbey encerra, portanto, mais um grande ano; os coadjuvantes brilham, o roteiro explora bem cada história e a parte técnica enche os olhos.

 Melhor episódio: Episódio 5




06 - The Walking Dead 



The Walking Dead boa é The Walking Dead divertida e matadora de zumbis. E a terceira temporada foi um prato cheio no quesito. Não podemos negar, contudo, que o lado dramático da série seja ruim. Pelo contrário, os personagens são bem desenvolvidos e os acontecimentos bem elaborados, criados e finalizados. Mas o fato é que a grande qualidade da série é mesmo a diversão, e quando a ação toma conta, rolam cabeças e jorra sangue pra todo o lado. Os diálogos continuam frágeis, mas a trama e o visual permanecem bons. Essa primeira metade do terceiro ano de The Walking Dead (a segunda retorna apenas em fevereiro) é o melhor momento da série até aqui.

Melhor episódio: Killer Within




07 Fringe 



Fringe é uma das minhas série favoritas; está naquela lista sagrada ao lado de Six Feet Under (a melhor série de TV já feita) e Arquivo X, por exemplo. É curioso pensar que caso Fringe fosse lançada hoje, seria cancelada já na primeira temporada. A TV mudou muito nestes últimos anos e é surpreendente o fato de uma série como Fringe ter sobrevivido tanto tempo. Talvez seja a qualidade do texto e da mitologia. A qualidade visual e narrativa da série. Não se sabe. Os fãs do programa são fiéis e o canal, por um motivo ou outro, confia no material. Infelizmente este é o último ano de Fringe e, assim como sua parente Lost é insubstituível, ela também será. Esperemos que fique marcada como uma das grandes ficções científicas da TV.

Melhor episódio: Through the Looking Glass and What Walter Found There




08 Dexter 



É bem verdade que Dexter já não é mais a mesma. De qualquer modo, a sétima temporada foi muito melhor que a quinta e sexta e encaminha o programa para um desfecho satisfatório, que provavelmente acontecerá na oitava temporada em 2013. Os plots deste ano funcionaram muito bem e a maioria foi resolvida de modo satisfatório. O ano foi de Dexter, claro, e Deb. Um dos melhores vilões da série, Isaac (interpretado por Ray Stevenson), foi descartado muito cedo, mas muita coisa funcionou: Hannah e a obsessão de Laguerta são alguns exemplos.
Melhores episódios: ...Are you? e Surprise, Motherfucker
 





09 Elementary 


Elementary é a melhor estreia do ano. Depois de assistir o Piloto, deixei a série de lado e não voltei a vê-la, não por ser uma estreia fraca, pelo contrário, mas por achar que a adaptação de Sherlock que coloca o sujeito em Nova York e transforma Watson em mulher não daria certo. Estava errado. Eu e muitos outros que criticaram sem ter muito em mãos. Elementary é, sim, uma ótima adaptação. Se passar em Nova York não interefere e a Watson de Lucy Liu, acredite ou não, funciona. Além disso, Jonny Lee Miller faz um grande trabalho como Sherlock, criando um personagem seu, com suas próprias características e sem dever nada a Cumberbatch ou Downey Jr.
Melhor episódio: Child Predator






10 - Smash 



Smash é um musical. Não como Glee, ou como aqueles musicais em que as pessoas conversam cantando e tudo mais. É sobre a produção de um musical, feito para o teatro, sobre a vida de Marilyn Monroe. Tem uma música aqui e ali, mas nada que afaste aqueles que não são fãs do gênero. Smash tem, também, músicas originais excelentes, o que é um atrativo à parte. Mostrando uma regularidade excelente durante todos os episódios da temporada, Smash tem ainda um bom elenco e personagens interessantes. Além, claro, da ótima trilha sonora.

Melhores episódios: The Workshop e Bombshell


1 comentários:

Gostei da Lista Matt, mas eu colocaria me vício televisivo: American horror Story Asylum... Só tenho elogios e boas coisas a falar desta maravilhosa série qu nunca decepciona. Já Viu?

2 de janeiro de 2013 20:43  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial